27/09/2012

O escritório da minha mãe



A minha mãe anda há anos a sofrer por não ter o cantinho dela, para arrumar papéis, os livros, pôr o pc, tratar das suas coisas. Já perdi a conta dos espaços da casa que ela tentou ocupar e das soluções (todas fantásticas, oh! oh!) que inventou, tão só para se frustrar a casa passo. Da última vez, enfiou uma estante velha na sala e só consegui de lá tirar aquilo porque me comprometi a mudar os móveis todos do espaço e a dita tinha de ficar de fora (por acaso a sala ficou muito mais bonita, arejada, luminosa e espaçosa).

Que fazer? Pois bem, como casa da aldeia que se preze, há sempre uma sala e uma cozinha que estão lá para enfeitar, cá em casa há uma cozinha só para inglês ver que está dividida por um balcão e que acaba por criar uma espécie de saleta. Ora, pensei, pensei muito e descobri a solução.

Reuni uma série de elementos que ligassem uns com os outros e tornassem o espaço acolhedor: os cortinados a imitar o antigo, a capa do sofá individual em tons cru, o móvel lacado e pintado à mão com anos e anos, com os livros dela, os cds e tudo mais, o candeeiro do teto que tirei da sala de baixo e pus ali por fazer muito mais o estilo do espaço e o resultado foi um canto muito agradável.

Faltava só a mesa de trabalho. Desviei uma mesa horrenda com camilha, mais os adereços e um candeeiro que a minha mãe tirou do quarto. A minha avó deu-me outra cadeira igual à que tenho em casa, pelo que a restaurei e trouxe para cá. Ainda assim, a mesa, meus caros, aquela mesa dava-me cabo dos nervos.

Ontem, numa inspiração pós-almoço, mandei a camilha larvar-se no programa das lãs e pintei a mesa de branco. Adorei o resultado. A mesa que era tão canastrona ficou elegante e bonita à vista e ao toque. Até um baldinho do lixo lhe fiz. Peguei num balde de plástico, numa sobra de tecido cortada de uns cortinados, forrei o balde, pus aquela fita que andava lá perdida (não sei fica lá, não sei) et voilá!!!

Qual foi a reação da mãe, digam lá? Ah que bonito. Agora vou comer que estou cheia de fome. Eu mereço... -.-

45 comentários:

  1. Oh ficou bem bonito :) És mesmo querida por teres feito essa surpresa à tua mãe :D

    Beijo ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A maior recompensa foi ela ter gostado (mas a fome era mais forte lol). :)

      Eliminar
  2. Ainda tenho muito que decorar em casa. Depois dá-me o teu contacto, ou dos teus colaboradores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queres que mande por email ou escarrapacho aqui?

      Eliminar
  3. Quantos vocês são? Só aceito equipas de 20 ou mais elementos. Ou menos. É uma das duas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou eu, euzinha, eu mesma, a Rapariga Simples e a outra do FB. Contamos com a tua ajuda, a do autor do teu tasco e a do gajo que assina os emails. Chega?

      Eliminar
  4. Que bonito! Agora vou almoçar que já estou atrasado e cheio de fome.







    Tu mereces ;)

    ResponderEliminar
  5. E lá pintaste de branco em vez de pintalgado.
    Tás mesmo a dar-lhe.
    Gostei do pormenor do lacinho.
    A tua mãe é uma almofada?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou pôr a escrita em dia.

      Eliminar
    2. Não é, mas podia ser. É bastante fofa. :D

      Gostaste? Muito obrigadinha.

      Eliminar
    3. Muito prendada. Uma autêntica mãe natal :)

      Eliminar
  6. Like i said, passas-te ao lado de uma carreira como decoradora de interiores :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahahahah
      Isso lembra-me que a minha médica da especialidade diz que eu tenho um interior muito bonito. ahahah Mas não divaguemos por esses assuntos. ;)

      Eliminar
  7. Ahahah as mães são sempre assim!
    Mas ficou um espaço bem bonito, lá isso ficou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ela agora nega tudo. Já vai tarde! lol

      Eliminar
    2. E ela visita aqui este espaço?

      Eliminar
    3. (caso visite)

      Olá Dona Mãe da Rapariga Simples :)

      Eliminar
    4. NÃO!!! Medo... A minha mãe é a única que não faz ideia do que escrevo, nem do que penso 90% do meu tempo. Aliás, há uns 3 anos li-lhe um texto e ela olhou-me para mim com uma cara assustada e disse: Metes medo! Coitado do rapaz.

      Há uns meses li-lhe uns poemas que escrevi aqui, sem que ela soubesse que eram meus, e gostou. Só a ferros lhe disse de quem eram.

      Mas eu transmito o 'olá'. ;)

      Eliminar
    5. Adorei este teu comentário. Tal como no teu caso, a minha mãe também não sabe o que penso em 90% do tempo. E também é melhor que não leia o que escrevo, senão era bem capaz de ficar a olhar para mim e fazer um comentário menos apropriado ;)

      Eliminar
    6. Eu acho que elas se negam a saber. Deve dar-lhe a ilusão de que não crescemos ou de que não temos problemas. Um exemplo, no início deste ano passei por uma situação muito dolorosa, acontece que os meus tios estavam cá de férias (moram no Luxemburgo) e vivenciaram algumas coisas. Diz-me a minha mãezinha com o ar mais incrédulo deste mundo: "Olha, a tia disse-me que se te visse a entrar em depressão lhe ligasse que ela comprava logo o bilhete para ires lá passar uns dias!". Assim, claramente a pensar que a irmã estava tolinha. Pois, só que a minha mãezinha não sabe nem metade dos pensamentos que tive, e ainda tenho, sobre a situação, muito menos que os escrevi aqui.

      São vidas. :)

      Eliminar
    7. Não podia estar mais de acordo quando dizes que elas se negam a saber. É como se não nos levassem a sério. Não partilho algumas coisas com a minha mãe, porque sei que ela não iria compreender, nem tão-pouco faria um esforço para tal. Às vezes, em situações insignificantes do dia-a-dia, ela não me compreende, julga-me parvinha ou assim, quanto mais em assuntos mais íntimos.

      Faço minhas as tuas palavras: são vidas ;)

      Eliminar
    8. A sorte é que podemos sempre contar com os nossos preciosos leitores. :)

      Eliminar
  8. Ficou um espaço bem catita, gosto do candeeiro :)*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que não gostava de o ver na mobília de quarto dos meus pais, talvez porque se perdesse no tom da madeira, mas ali gosto. Fica distinto, a fazer pandan com a jarrinha. Enfim, mariquices femininas. :D

      Eliminar
  9. Ó Rapariga simples que pensa muito, já pensaste nas fotos pôr umas etiquetazinhas com o preço?
    Nunca se sabe ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, isso não, o valor que têm é todo afetivo. Não era capaz de os vender (até porque estão mal restaurados lol).

      Eliminar
    2. Deixa-te disso, só tenho alma ainda porque nunca encontrei um diabo que a quisesse
      :D

      Eliminar
    3. Isso não abona muito a teu favor! Será que é por quase nunca acertarem com o sítio dos comentários? Questiono-me. Se bem que és capaz de estar a ganhar valor de mercado, é que começas a acertar uns 3 em 30. ;)

      Eliminar
    4. Caso não tenhas reparado :) tenho andado a praticar. Quando faço algo mal, não descanso enquanto não corrigir.

      Tenho uma espantosa falta de equilíbrio. Da primeira de duas vezes que tentei subir para uma prancha de windsurf, fiquei para aí uma ou duas horas a cair da prancha. Subir, cair. Subir, cair, etc. Ás tantas veio um gajo que estava na praia, veio gabar-me a persistência. Que o jeito para a coisa não podia gabar. Pressenti que aquilo era um sinal para largar aquilo e ir fazer algo que conseguisse fazer, como beber umas bejecas :)

      Eliminar
    5. Sim, tenho dado conta que te esforças com afinco em nunca falhar o alvo! clap clap clap (já eu ando a trocar as letras todas, não atino com as concordâncias e agora dei para as redundâncias...)

      Também eu! Estou sempre a ir contra as coisas, tenho sempre as pernas cheias de nódoas negras de bater nas quinas de tudo e mais alguma coisa.

      Uma vez estive a estuda numa universidade que tinha, na entrada, duas colunas de mármore a ladearem as enormes escadas . Acreditas que todos os dias eu batia contra uma? O meu colega chegou a dizer-me que, se não soubesse que eu não bebia, era capaz de jurar que ia para as aulas de manhã já com os copos. lol

      Fizeste bem em trocar de atividade, sempre foi mais rentável. :D

      Eliminar
  10. Que enganada que a tua colega andava, coitada :D


    A segunda atividade não é nada rentável, porque infelizmente tenho que pagar as bejecas, e cair posso fazer à borla.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu colega. ;) Andava nada, beber tem sido um prazer que tenho aprendido a desenvolver com tempo e por culpa do paizinho.

      Podes sempre beber à pala. :D Na verdade, tens razão, cair por cair, mais vale sozinho e sóbrio, para te levantares mais depressa. No fundo, gastas dinheiro, bebes e o resultado é o mesmo. Que chatice.

      Eliminar
    2. Pior, andavas a enganar o teu colega :)

      Onde é que se bebe à pala?? (para fins estritamente medicinais e para aquecimento nas frias noites de inverno)

      Note-se que por momentos ali em cima me desviei, mas que rapidamente retomei o caminho como lídimo seguidor d'O Sitio

      Eliminar
    3. Andava nada, não tenho jeito para enganar as pessoas, coro de mais. lol

      Eu bebo à pala em casa do meu pai. Aquele vinho branco... oh céus!!!

      Rejubilo com a tua capacidade em dares com O Sítio.

      Eliminar
    4. Não me sinto à vontade de ir beber a casa do teu pai :D

      O vinho em toda a sua grandeza é o tinto. A partir da segunda garrafa, basta que esteja cheio, e pode ser em qualquer cor :)

      Eliminar
    5. Aparece apenas, de certeza que acabas na adega. Toda a gente acaba na adega. Aliás, os clientes do meu pai dão-lhe mais prejuízo do que lucro porque lhe bebem o vinho todo. :/

      Não gosto do tinto. Não consigo. Pois... qualquer cor... estou-te a ver! lol

      Eliminar
    6. Isso do toda a gente acaba na adega, tem muitas leituras (e nem vejo muito filmes de terror ;)

      O tinto é como tudo na vida, primeiro estranha-se depois entranha-se.

      Eliminar
    7. Pode ter sido um grande slogan do Pessoa para lançar a Coca-cola, para mim não serve. Vinhos escuros só na forma de Vinho do Porto ou licores, como uns que andei a fazer com o meu pai e que me fazem suspirar só de lembrar.

      Oh se é filme de terror, principalmente quando ficam quentes e começam a cantar a plenos pulmões, à meia-noite...

      Eliminar
  11. Da última vez que me pintaram uma mesa de branco, fiquei com o blaser como o do Sá Pinto... com os cotovelos brancos :)
    Bj

    ResponderEliminar
  12. Acho que tem um ar acolhedor. A mesa é elegante, a cadeira parece confortável, e o balde é amoroso ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não digas a ninguém, mas eu é que estou aqui a maior parte do tempo. ;)

      Eliminar
    2. ah ah...ok,ok, fica só entre nós ;) mas é compreensível. O espaço é acolhedor e tu é que o arranjaste, portanto tens o direito de desfrutar dele ;)

      Eliminar
  13. Olha que ficou bem giro! Quando te der mais vontade de renovações e não souberes para onde ir, eu ofereço-te a minha casa para tal! :D

    ResponderEliminar